E-BOOK 100% GRÁTIS "5 PASSOS PARA SER UM BOM MECÂNICO AUTOMOTIVO"

E-BOOK 100% GRÁTIS "5 PASSOS PARA SER UM BOM MECÂNICO AUTOMOTIVO"

5 Passos para saber como deve se comportar um mecânico automotivo de sucesso e ser reconhecido no mercado. Siga as instruções a seguir após inserir seu e-mail.

Não enviamos spam. Seu e-mail está 100% seguro!

Unidade de comando (injeção eletrônica) – tipos

Unidade de comando (injeção eletrônica) – tipos

Olá!!! Tudo certo por ai. Hoje o assunto vai ser bem mais técnico porem, de grande valia para aqueles que desejam aprender mais a respeito de unidade de comando.

A unidade de comando, também conhecido por UCE, ECU, ECM, MCE e centralina é o cérebro de todo o sistema de injeção.

É ela que recebe os sinais de entrada (sensores), processa e aciona os atuadores. Sua localização depende muito do automóvel, podendo estar:

Na coluna da porta dianteira (lado do carona ou motorista) ou no compartimento do motor.

O início do sistema de injeção eletrônica no Brasil

Unidade de comando digital e analogicaO primeiro sistema de injeção lançado (unidade de comando) no Brasil (1989) foi o Le Jetronic da Bosch.

Trata-se de um sistema multiponto intermitente cuja unidade de comando é analógica.

Este sistema chegou a equipar o Gol GTi, o Monza Classic 500EF, o Escort XR3 2.0i, o Santana GLSi, o Kadett GSi, o Versailles Ghia 2.0i, o Uno 1.6R MPI, etc.

Logo em seguida surgiu a injeção digital com os sistemas Multec TBI 700 da AC Rochester, o G6/7 da Magneti Marelli e o Motronic da Bosch.

Deste o seu lançamento, inúmeros sistemas foram lançados. Atualmente, os grandes fabricantes de sistemas de injeção são:

  • Bosch, Magneti Marelli;
  • Delphi (antiga AC Rochester);
  • FIC, Siemens e uma parceria entre a VW, Bosch e Helia;

Tipos e sistemas de injeção

Dentre esses fabricantes de unidade de comando, surgiram diversas famílias como:

  • Jetrónic;
  • Motronic e Monomotronic (Bosch);
  • G6/7;
  • Microplex e IAW (Magneti Marelli);
  • EEC-IV e EEC-V (FIC);
  • Multec (Delphi);
  • Simos (Siemens);
  • Digifant (VW, Bosch e Helia);

Para cada uma das famílias foram surgindo os seus devidos sistemas. Veja um exemplo apenas da família IAW da Magneti Marelli:

    • IAW-4V3-P8;
    • IAW-403-P8;
    • IAW-G7;
    • IAW 1AB;
  • IAW 1AVB;

E etc. Você está percebendo, a imensa quantidade de sistemas de unidade de comando. Cada um com características próprias.

Daí a necessidade de o mecânico automotivo estar sempre atualizado. Atualmente, já estamos na era das unidades de comando com circuitos híbridos. O que reduziu a mesma, ao tamanho de um celular.

Com exceção do sistema LE Jetrónic, todos os demais sistemas utilizam unidades de comando digital, independe ser monoponto, multiponto banco a banco ou sequencial.

Para todos os sistemas de injeção, o sistema de ignição é digital e mapeada, inclusive o Le Jetrónic.

Este sistema necessita de duas unidades de comando, uma para a injeção analógica e outra para a injeção digital.

Módulo EZK da ignição digital mapeada.

Módulo EZK da ignição digital mapeada

Na linha GM, essa unidade de comando, tanto o disparo da centelha, como o seu avanço. Na linha VW, apenas do avanço, necessitando de uma terceira unidade, o já conhecido TSZ-i.

Ignição mapeada

Mapa de igniçãoIgnição mapeada, talvez você esteja se perguntando. Afinal de contas, o que é uma ignição mapeada?

Antigamente, o avanço da ignição ocorria automaticamente por meio de dois dispositivos, os avanços automáticos a vácuo e centrifugo, que se localizavam no distribuidor.

O avanço centrifugo age de acordo com a rotação do motor. Quanto maior, maior deverá ser o avanço. O dispositivo a vácuo avança a ignição de acordo com a carga do motor.

Com o sistema de injeção e ignição digital e mapeada, esses avanços começaram a ser controlado eletronicamente.

Sem interferência mecânica, por meio da unidade de comando do sistema de injeção (sistema digital) ou pelo módulo EZK (sistema analógico).

Para que o sistema avance automaticamente a ignição são necessárias três informações: rotação, carga e temperatura do motor.

Os sinais de rotação e carga, servem para a unidade de comando calcular o avanço, substituindo os avanços centrífugo e a vácuo.

A temperatura serve para corrigir esse avanço na fase de aquecimento do motor. Todas essas informações são captadas pelos sensores.

E-BOOK GRATUITO "5 PASSOS PARA SER UM BOM MECÂNICO AUTOMOTIVO"

E-BOOK GRATUITO "5 PASSOS PARA SER UM BOM MECÂNICO AUTOMOTIVO"

Baixe seu E-book grátis agora mesmo, e faça parte de atuais e futuros profissionais no ramo automotivo que estão decididos a ser melhores a cada dia que passa.

Não enviamos spam. Seu e-mail está 100% seguro!

Sobre o Autor

Gabriel Campos de Bastiani
Gabriel Campos de Bastiani

Formado em Técnico em Sistemas Automotivos (CREA:221020452-6) e espero trocar conhecimento com todos aqueles que gostam do ramo automotivo, e pretendem montar seu próprio negocio no ramo ou aperfeiçoar seu conhecimentos.

0 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.